Links Úteis
Confidencial

Subscrever Newsletter

Lusofonia

Três dias de luto nacional

Timor-Leste: Morreu Francisco Xavier do Amaral

Díli - Francisco Xavier do Amaral, o proclamador da independência de Timor-Leste em 1975, morreu esta terça-feira, 6 de Março, no hospital de Díli, devido ao cancro de que sofria.

Francisco Xavier do Amaral estava em tratamento desde 2011, no hospital Cingapura, em Díli, mas o seu problema não foi combatido.

Depois de anunciada a independência do país, Francisco Xavier do Amaral foi líder do partido FRETILIN e tomou posse do cargo de Presidente da República antes da invasão Indonésia a Timor-Leste, no final de 1975.

Quando o país foi ocupado, Francisco Xavier do Amaral, juntamente com outros líderes da FRETILIN, lutou contra os militares da Indonésia, tendo sido detido e levado para a prisão de Jacarta.

O antigo Chefe de Estado passou a ser substituído por Nicolau Lobato, a seguir à invasão, a 7 de Dezembro de 1975.

O ex-combatente foi o único candidato que competiu com Xanana Gusmão para se tornar Presidente da República em 2002 mas perdeu as eleições.

Ele era um membro do Parlamento desde 2001, tendo sido nomeado Vice-
Presidente em 2002. Foi sempre dedicado e firme nos seus ideais, para contribuir para o desenvolvimento do país e era um dos candidatos às próximas Eleições Presidenciais de 17 de Março.

Tanto durante a luta pela independência como, mais tarde, pela construção de um Estado soberano, o antigo líder da FRETILIN sempre lutou pelos princípios da democracia e pela dignidade do povo timorense.

Segundo a Constituição, artigo 11 º, o Estado é responsável por valorizar e honrar os que lutaram pela independência nacional. É o caso de Francisco Xavier do Amaral que, além de lutador, viu, desde o início, a sua liberdade limitada e passou muitos anos a trabalhar no país, forçado pela ocupação.

O antigo Presidente viu o seu estatuto reconhecido como proclamador de
Independência e primeiro Chefe do Estado de Timor-Leste e como
uma das figuras proeminentes na luta pela libertação e independência do país.

«Foi com profunda tristeza e consternação que o Governo de Timor-Leste
soube do falecimento de Francisco Xavier do Amaral, o primeiro Presidente da República de Timor-Leste e proclamador da Nação», declarou o Primeiro-ministro Xanana Gusmão, apresentando as condolências à família, aos amigos e colegas.

Xanana Gusmão disse ainda que Timor-Leste perdeu uma figura histórica do nosso país, que dedicou a sua vida ao serviço do povo timorense e que deu o seu melhor para ajudar a construir e a fortalecer a nação.

«O nosso povo está de luto pela perda do proclamador e primeiro Presidente da República. Os nossos pensamentos e orações vão para sua família, amigos, colegas de partido e apoiantes. Nesta hora difícil, nós gostaríamos de transmitir-lhes as mais sinceras condolências», referiu o Primeiro-ministro.

O Governo de Timor-Leste aprovou, esta terça-feira, 6 de Março, uma resolução que decreta três dias de luto nacional.

O Presidente da República, José Ramos-Horta, também prestou as condolências aos familiares de Xavier do Amaral e disse que o país perdeu um herói nacional.

O secretário-geral da FRETILIN, Mari Alkatiri, disse que o seu partido presta homenagem ao primeiro líder, pela sua contribuição para a independência do país, em 1975.

O Conselho de Ministros decidiu que o Estado deverá prestar honras fúnebres adequadas a todos os líderes estaduais timorenses, a fim de lembrar e reflectir sobre a vida de um pessoa com um papel tão importante na independência do país: «O período de luto nacional começa imediatamente e termina às 18 horas de dia 8 de Março, incluindo a Bandeira Nacional, que está a meia-haste».

De acordo com o Conselho de Ministros, «foi ainda aprovada a criação de uma comissão responsável pela organização e condução das cerimónias fúnebres, composta por representantes do Ministério de Administração e Planeamento Territorial, do Ministério da Solidariedade Social, do Ministério da Saúde e da Defesa e Segurança.»

O Conselho de Ministros expressou as condolências a todo o país, à família, aos militantes do partido ASDT e à população de Turiscai, sua cidade natal.

(c) PNN Portuguese News Network

2012-03-06 17:57:22

MAIS ARTIGOS...
  «Guiné-Equatorial na CPLP torna a organização politicamente mais forte»
  Guiné Equatorial promete usar língua portuguesa e abolir pena de morte
  Timor-Leste e Portugal assinam memorando de cooperação em diversas áreas
  José Ramos-Horta elogia situação da Guiné-Bissau na Cimeira da CPLP
  Cabo Verde: Ministro da Justiça considera legítimas as reivindicações da PJ
  Cabo Verde: Vice-Presidente do MpD critica projecto «Casa para Todos»
  São Tomé e Príncipe: PGR rejeita que as suas acções tenham «interesses políticos»
  Guiné-Bissau: Samuel Fernandes nomeado porta-voz do Ministério da Administração Interna
  FAO felicita CPLP pelo compromisso contra a fome
  Representante da UA na Guiné-Bissau participou na Cimeira da CPLP
  CPLP passa liderança para Timor-Leste e admite a Guiné Equatorial
  São Tomé e Príncipe forma a primeira unidade de Fuzileiros Navais

Comentários

Nome:

E-mail:

Comentário:



Hospedagem de Sites Low CostJornal Digital Cabinda Digital Luanda Digital Bissau Digital Jornal de São Tomé Timor DigitalCabo verde
Notícias no seu site Recrutamento Estatuto editorial Ficha técnica Contactos Publicidade Direitos autorais