Links Úteis
Confidencial

Subscrever Newsletter

Lusofonia

Conflito entre homem e animal fez 86 mortes em 2011

Moçambique: Governo quer continuar a privilegiar o abate de animais problemáticos

Maputo – Reunido em Conselho de Ministros, na sua 6ª Sessão ordinária, o Governo moçambicano analisou a situação sobre o conflito homem/fauna bravia, que causou 86 mortos e 60 feridos durante o ano de 2011.

As vítimas foram atacadas quando se encontravam a tomar banho, a buscar água nos rios ou na prática de diversas actividades pesqueiras e agrícolas.

Só os crocodilos fizeram um total de 47 vítimas mortais nos rios, com maior destaque para o Zambeze, que atravessa as províncias de Tete, Zambezia e Sofala, na região centro de Moçambique.

Alberto Nkutumula, porta-voz do Governo, disse que, no mesmo período foram igualmente destruídos 553 hectares de culturas diversas, para além de terem sido mortos 79 animais domésticos.

Com vista a solucionar este problema, que de alguma forma está a criar
Instabilidade à população residente nas zonas habitadas por animais, o Estado está a desenvolver esforços no sentido de acabar com o sofrimento daquelas populações.

A solução, segundo Alberto Nkutumula, passa pelo abate dos animais considerados problemáticos. Em 2011 foram abatidos 336 animais problemáticos, dos quais 250 crocodilos, 46 elefantes, 17 hipopótamos, três cobras, 13 búfalos, duas hienas, quatro leões e um leopardo.

O crocodilo foi mencionado como sendo o animal mais perigoso, por ter causado 47 mortes, seguido do elefante, que causou 20 e do hipopótamo, responsável por 13 mortes.

Estão a decorrer acções de recolha de ovos de crocodilos ao longo dos rios e campanhas de sensibilização da população que vive nas zonas de conflitos, para a sua retirada, bem como abertura de furos de água para evitar a disputa entre homem e animal.


Ainda na mesma sessão, o Conselho de Ministros aprovou o decreto que aprova o regulamento de uso do selo «Orgulho Moçambicano, Made in Mozambique».

Em 2010, na campanha «Made in Mozambique», foi lançado este programa transversal do Governo para promoção de produtos nacionais com um quadro institucional e regulador.

Com o regulamento, o Governo pretende adequar o quadro regulador às novas realidades e estabelecer as regras de concessão e uso do selo «Orgulho Moçambicano. Made in Mozambique».

(c) PNN Portuguese News Network

2012-03-07 14:16:47

MAIS ARTIGOS...
  Guiné-Bissau: Festival Nacional da Luta Livre decorre este sábado
  Guiné-Bissau: Responsáveis pelo Ensino Superior particular acusados de «mercantilismo»
  Guiné-Bissau: PM adverte governadores regionais sobre responsabilidade do serviço público
  Guiné-Bissau: Parlamento, Governo e UNODC reunidos sobre tráfico de droga
  Brasil: Nova sondagem dá vantagem a Dilma Rouseff
  FA de Portugal contribuem para o desenvolvimento da Defesa de Timor-Leste
  Festival de Cinema de Cabo Verde distingue filmes portugueses
  Guiné-Bissau: DG de Migração reconhece dificuldades no controlo das fronteiras
  Timor-Leste: Exportação de café aumentou nos últimos dois anos
  Guiné-Bissau: Governo pede esclarecimentos sobre adiamento da retoma da rota da TAP
  Guiné-Bissau: Nomeados governadores para as oito regiões do país
  Guiné-Bissau: Secretário de Estado das Comunidades denuncia má conduta na Embaixada em Lisboa

Comentários

Nome:

E-mail:

Comentário:



Hospedagem de Sites Low CostJornal Digital Cabinda Digital Luanda Digital Bissau Digital Jornal de São Tomé Timor DigitalCabo verde
Notícias no seu site Recrutamento Estatuto editorial Ficha técnica Contactos Publicidade Direitos autorais